terça-feira, 23 de setembro de 2008

Sem volta…

No mais alto da montanha

o gesto definitivo.

Agora não há mais volta,

o que está feito, está feito.

Rasgado o forro da almofada

as plumas pertencem ao vento…

Não cabe arrependimento.

plumas3

Em cada pluma, uma história…

Em cada história, um sentimento…

Em cada sentimento, a alma.

Assim

a alma do poeta

fez-se pássaro,

fez-se nuvem,

fez-se gota de orvalho

a revigorar a noite.

Liberdade – borboleta

perdeu-se em discretos rodopios,

sem limites,

sem controle,

sem fronteiras…

O infinito horizonte

é seu caminho.

Campos e vales

seu destino.

Impossível ao poeta

recuperar o que era seu.

Rasgado o peito,

a alma se evadiu

…mas não se sente só nem triste.

Em algum lugar distante,

quem sabe, num curto gesto,

uma delicada mão,

recolhendo-a suavemente,

vai lhe dar toda atenção.

***************

Pois é!

Diante das exigências do meu ainda restrito público, eis-me aqui, em rede, conversando com vocês.

Timidamente estendo as mãos. Deve haver, em algum lugar, alguém querendo dançar uma ciranda (não confundir com a ciranda global!!!). Refiro-me à ciranda que oferece o contato amigo, a presença sempre frontal que obriga o olho no olho, o que expressa confiança. A mão na mão faz circular energias inexploradas… o ritmo lento e constante não cansa jamais. Aquele passinho, que parece retroceder, apenas demonstra que não há pressa.

É, a ciranda, o real sentido da vida que escorre lenta para que se tenha tempo de fazer amigos.

Pena que tenhamos esquecido isto… e, muito apressadinhos, por vezes nos perdemos.

Mas vale a pena relembrar, nesta conversa com você.

7 comentários:

liane disse...

oiiii, luisa ta aqui pulando e dizendo pra mandar comentário!
luísa says: *pula* comenta, comenta *-*
muito boa sorte com seu blog,espero que ele lhe renda muitas amizades legais...
bjs,liane.

Carlos Mascarenhas disse...

Dinah:

É muito bem ver você entrando sem medo no mundo da Tecnologia da Informação e Comunicação.
Este é um caminho sem volta e com certeza as TIC"s vão ajudá-la a levar tôda a sua experiência de vida e as coisas bonitas que você bem sabe criar, para um grande número de pessoas espalhadas pelo mundo.
Você vai crescer e com certeza ajudará o crescimento de muita gente.
Um grande beijo.

Carlos Mascarenhas

Bel disse...

Eita!!!
Era pra EU ser a primeira aqui, né não???

Mas tudo bem, cedi o lugar pra filha, que tem mais direito!!!

Dinah, sei que isso aqui vai lhe realizar... e suas poesias, espalhadas como plumas, vão abençoar o mundo!

Beijo grande, amo você!!!

Martha disse...

Oh, minha amiga querida!!! Pena q não pude ir a esse lançamento...
Mas te desejo toda a Sorte do mundo nesse caminho "sem volta" e nessa "liberdade de alma"!
Te adoro!!!
Bjs,
da vizinha de sempre,
Martha (Tita)

Sula disse...

Oi Dinah
Que bom que o AMOR pela poesia fez vc perder o medo da internet
SUCESSO!!!
Seja sempre VITORIOSA!!!

Jucemir disse...

Anabel – de quem você uma vez sacaneou( aqui no Rio “sacanear” não é palavrão, mas em Ilhéus a vinte e muitos anos era) as pernas finas – deixouleredeixouver, e assim, pelos caminhos inusitados desse caboclo poderoso do terreiro global chamado de Pai Google(crédito para a ex-magrinha já mencionada), acabei captando um dos seus convites para cirandar.Como não havia nenhuma restrição de traje e horário e nem obrigação de levar presente, resolvi fazer uma visitinha ao seu sítio às três da madrugada.
Por certo você já estava dormindo e não escutou quando abri a porta e me servi daquele poema que você deixou em cima da mesa para deleite dos visitantes.
Qualquer dia eu volto.

Jucemir, seu ex-aluno.

Rejane disse...

Oi, de novo!

Estou postando meio atrasadinha, mas você sabe: é este meu "ritmo ridículo" de vida, correndo de um lado para o outro.Como já postei recentemente: gostei do blog, é agradável de ler.
Quero avisar aos colegas internautas (vai se acostumando com o jargão da rede)que essa história de "perder o medo" é conversa pra boi dormir. Acho que ela está só enfrentado o medo e a rejeição que tem das ferramentas tecnológicas. Mas acredito que ela vence! Afinal não é uma maquininha besta e burra que será superior a esta mente brilhante (huumm)! Sim, o computador é burro, só faz o que é programado (pelo homem) para fazer. Nós somos mais inteligentes.

Um beijão,
Rejane.